5.05.2010

poesia urbana (ou como as paródias reflectem as projecções dos nossos consumidores)

Sem comentários: